Na teoria, o trabalho remoto é tudo de bom: você alcança um novo patamar de produtividade sem comprometer a qualidade de vida. Na prática, nem todo profissional de TI está preparado para o desafio. Descubra onde você se encaixa no perfil do trabalhador remoto.

Antes de mais nada, é importante saber que nada está escrito em pedra. Você pode, muito bem, vir a desenvolver as habilidades e competências comportamentais necessárias ao trabalho remoto. Contudo, a verdade é que têm mais sucesso – e se sentem mais realizados – aqueles com perfil para atuar em equipes distribuídas. 

É bem diferente ser um freelancer que desenvolve cada projeto de maneira isolada, do que trabalhar fora do escritório como membro de um time coeso apesar de geograficamente distante. E não há nada de errado nisso! É apenas questão de perfil. Esse artigo da Caileen Holden exemplifica muito bem a questão.

Não trabalhe remoto se você…

#1 Pertence a um ramo em que o trabalho remoto não é compatível.

São dois fatores limitantes a considerar. Primeiro, se o tipo de trabalho que você realiza pode realmente ser executado fora do ambiente de trabalho sem perder em qualidade e sem oferecer riscos à saúde e segurança. As normas técnicas existem por bons motivos.

Segundo, se a empresa para a qual você quer trabalhar está preparada para fazer a gestão de pessoas fora de alcance físico direto e imediato. Algumas culturas empresariais exigem que o olho no olho seja presencial.

#2 Pensa que no dress code significa trabalhar de pijama.

Ainda que a vestimenta tenha se tornado cada vez mais flexível, convém bom senso e a decência ainda se aplica. A Hotjar dá um exemplo engraçado bem-humorado (entre muitos outros):

Wear whatever you’d like: want to do that Zoom meeting in your Pink Panther boxers? As long as you’re wearing a decent shirt (and you never stand up), nobody will be the wiser (Vista o que quiser: quer fazer aquela reunião do Zoom com sua boxer da Pantera Cor de Rosa? Contanto que você esteja vestindo uma camisa decente (e nunca se levante), ninguém ficará sabendo).

#3 Acredita que sem “bafo na nuca”, não precisa cumprir horários e prazos.

Muito pelo contrário! Parafraseando o caso do super herói, com grandes poderes vêm grandes responsabilidades. Proatividade, comunicação clara e foco em resultados são muito necessários!

A empresa que opta por buscar talentos fora de sua região de atuação provavelmente o fez em busca de profissionais de alta performance. Falhar ou não atender os requisitos de entregas é demissão na certa.

#4 Quer trabalhar remotamente para evitar interação com os outros.

Pessoas com ansiedade, síndrome do pânico, etc. podem, sim, ter alento no trabalho remoto, pois as interações sociais acontecem em contextos mais padronizados. Entretanto, engana-se quem pensa que distância = isolamento

Muito pelo contrário, quem atua remotamente precisa se comunicar frequentemente e participa das mesmas rotinas e reuniões que os colegas alocados no escritório. São usadas diferentes ferramentas e técnicas para manter todos na mesma página.

#5 Não está disposto a investir em infraestrutura.

Trabalhar remotamente exige bom computador, telefone, conexão de internet, espaço de trabalho ergonomicamente favorável e preocupações com iluminação e isolamento acústico, por exemplo. 

Já escrevemos sobre isso no post sobre preparação para uma entrevista online. Evite ruídos de fundo, como cães, crianças, obras…

Para trabalhar remotamente, você…

#1 Sabe se auto gerenciar.

É importante ter foco para ficar longe das distrações, priorizar sempre e saber lidar com a autonomia. Liberdade não significa que não há regras a seguir. Quem opta por trabalhar remotamente é responsável por si mesmo, sem a necessidade de um gestor para direcionar o trabalho a ser feito. 

#2 Precisa ser apaixonado pelo que faz.

É verdade que o reconhecimento é proporcional à qualidade da entrega, muito mais do que o tempo dedicado à cada tarefa. Mas até que ela seja realizada, é preciso manter a motivação em alta.

#3 Gosta de ter tempo sozinho e entende que isso não é sinônimo de solidão.

Os introvertidos conseguem se esbaldar neste contexto de trabalho remoto, muitas vezes optando por home office. Já os extrovertidos podem se desanimar com a falta do contato face a face. 

Também por isso é importante interagir muito – não só para tratar de assuntos relacionados ao trabalho. Trocar ideias sobre assuntos aleatórios com os colegas é fundamental a um bom team building. Esteja preparado.

#4 Consegue equilibrar vida pessoal e profissional.

Às vezes, a ausência de um ambiente estruturado de trabalho pode embaçar a divisão entre horários, especialmente para quem atua em home office. Convém também preparar as pessoas a seu redor para que evitem interromper durante o horário de trabalho, explicando e pedindo ajuda tanto para incentivar a produtividade, quanto para tirar você da frente do computador e descansar.

Está pronto para ser um trabalhador remoto e quer se aprofundar?

Acesse nosso conteúdo anterior sobre as vantagens de trabalhar remotamente antes de decidir por embarcar nessa jornada. Ou pule para nossa postagem sobre como fortalecer sua carreira em TI para colocar seu desejo em prática com a Ubiminds.

Ainda está em dúvida? Confira o depoimento no vídeo abaixo:

Suporte

Weekly Newsletter

Receba nossas publicações semanalmente em seu e-mail.
Não se preocupe, cuidamos bem do seus dados e não compartilhamos a terceiros.