Quais são as complexidades de desenvolver experiências do usuário para milhões de usuários? Desde enfrentar os desafios de startups de pequena escala até as complexidades de plataformas com bilhões de usuários, junte-se a nós para explorar como a interseção entre design, produto e inovação leva a um design impactante.

Selecionamos Austin Knight (Líder de Design na Square e consultor na Sequoia Capital) que compartilhou insights importantes durante o evento paralelo do Connecting the Americas no SXSW 2024.

Aqui estão os destaques do bate-papo descontraído dele com Alberto Silveira, um dos co-criadores do evento:

Curioso por uma experiência de aprendizado detalhada? Aqui está o vídeo completo da troca de ideias deles:

Não consegue assistir ao evento completo? Dê uma olhada rápida neste artigo de resumo. Aproveite!

5 Lições do Passado: Por que o Design “Forma segue a Função” Está Desatualizado

Aprendendo com as experiências daqueles que nos antecederam nos poupa muito trabalho árduo e estresse. Antes de começarmos com as melhores práticas de UX, vale a pena extrair lições gerais da carreira de Austin. Ele revela lições essenciais que podem moldar nossa própria abordagem ao design e à resolução de problemas:

Lições 1: Abraçar Contratempos como Oportunidades

Todos enfrentamos contratempos em nossos empreendimentos criativos — e eles são uma oportunidade de crescimento. Seja um projeto fracassado ou uma ideia que não decolou completamente, sempre há algo a aprender com a experiência.

Lições 2: Iterar, Iterar, Iterar

O design raramente é um processo linear. Trata-se de refinamento constante. Reconheça que os conceitos iniciais podem precisar de ajustes ou até mesmo de uma completa reimaginação para alcançar seu potencial máximo.

Lições 3: Colocar os Usuários em Primeiro Lugar

No cerne de um grande design está uma compreensão profunda das necessidades do usuário. Priorizar o feedback do usuário nos lembra que o design não se trata apenas de criar algo bonito — é sobre resolver problemas e atender às necessidades daqueles que usarão nossos produtos ou serviços.

Lições 4: Permanecer Resiliente Diante dos Desafios

O mundo do design está repleto de desafios e incertezas. A capacidade de perseverar nos momentos difíceis e de pivotar quando necessário serve como um lembrete da importância da resiliência e da adaptabilidade em nossas próprias buscas criativas.

Lições 5: Valorizar Experiências Diversas

Nossa jornada como designers é moldada pelas diversas experiências que encontramos ao longo do caminho. Seja um projeto bem-sucedido ou um experimento fracassado, cada experiência contribui para nosso crescimento e desenvolvimento como criativos.

É crucial valorizar as diversas experiências que moldam as jornadas dos designers; isso ajuda equipes inteiras a navegar pelas complexidades da construção de software com confiança e propósito.

Traduzindo A Mentalidade de Designer em Softwares de Impacto

As lições até agora fazem sentido para você? Então você deve estar ciente de que a mentalidade dos designers desempenha um papel crucial na formação de software impactante que ressoa com os usuários em escala global.

Mais uma vez, Austin se baseia em sua experiência para elucidar como isso se traduz em resultados tangíveis dentro do âmbito do design de UX. Aqui está uma compilação das melhores citações:

Experimentação Iterativa

Com bilhões de usuários em jogo, cada lançamento de recurso se torna um experimento meticulosamente planejado. Essa abordagem permite que os designers ajustem detalhes e otimizem as experiências do usuário ao longo do tempo, garantindo que cada iteração traga melhorias que ressoem com as diversas necessidades da base de usuários.

“Quando você está trabalhando em escala, grande parte é apenas ajustar os detalhes finos. E isso requer muita paciência.” — diz Austin.

Projetar para bilhões de usuários requer um entendimento profundo das necessidades e preferências do usuário. O envolvimento de Austin na reformulação dos feeds do Google e liderando o design das plataformas de rastreamento de contatos da COVID-19 destaca a importância de priorizar os princípios de design centrados no usuário.

“Tudo é um experimento… Você tem que ser realmente cauteloso porque, sabe, uma queda em certas métricas, isso pode ser apenas uma fração de um por cento, e sua funcionalidade será descartada.” — ele explica.

Ao colocar os usuários no centro do processo de design, os designers podem criar soluções de software que abordem desafios do mundo real e tenham um impacto significativo na vida das pessoas.

Austin Knight, Palestrante sobre UX para Bilhões na Conectando as Américas.

Austin Knight, Palestrante sobre UX for Billions no evento Connecting the Americas (Foto por: Riff Filmes)

Colaboração e Adaptabilidade aos Dados

Austin foi um dos quatro designers responsáveis pela plataforma de rastreamento de contatos da COVID-19 do Google e da Apple, adotada por mais de 40 autoridades de saúde pública ao redor do mundo. Lá, ele aprendeu que a colaboração eficaz permite que os designers aproveitem perspectivas e recursos diversos para alcançar objetivos comuns.

“Estávamos trabalhando muito rápido, trabalhando em diferentes plataformas e empresas na verdade, foi uma parceria realmente única que foi divertida”, ele lembra. Para ele, a adaptabilidade permite que os designers naveguem em ambientes de ritmo acelerado e respondam rapidamente a desafios e oportunidades em evolução.

Mas ao decidir qual caminho seguir, não é suficiente ter experiência e uma ampla gama de referências. O destaque de Austin para o acompanhamento de métricas e análise do feedback do usuário destaca a importância das abordagens de design orientadas por dados.

Ele sugere que, embora o design muitas vezes envolva subjetividade, ele se beneficia ao adotar uma perspectiva mais objetiva:

“Design não é arte. E um bom design é humilde.”

O ponto de vista de Austin destaca a necessidade de que o design seja fundamentado na humildade, reconhecendo seu impacto enquanto se esforça continuamente para melhorar e se alinhar com os objetivos comerciais mais amplos.
Ao aproveitar insights de dados, os designers podem identificar áreas para melhoria, validar decisões de design e impulsionar a otimização contínua para aprimorar a experiência do usuário como um todo.

Construindo Equipes de Design de Alto Desempenho para Elevar os Padrões de Design

O sucesso é frequentemente um esforço em equipe. A sinergia colaborativa entre engenheiros, designers, gerentes de produtos e liderança é o que impulsiona a inovação e oferece soluções impactantes aos usuários. Mas como montar uma equipe dessas, especialmente quando se deseja atender a bilhões de usuários?
De acordo com Austin Knight, o processo de construção de uma equipe de design de alto desempenho começa com o reconhecimento de uma paradoxo-chave: “Bons designers contratam bons designers”, ele afirma.

Estágio Inicial: Busque Orientação de Líderes de Design Experientes

“Tente identificar um líder de design que esteja em sua indústria ou alguém que talvez tenha feito o que eles desejam fazer com sua empresa.”

Nos estágios iniciais, quando os recursos podem ser limitados e fazer a primeira contratação de design parece assustador, buscar orientação de líderes de design experientes pode ser inestimável. Esses profissionais experientes podem oferecer insights para identificar o talento certo e até ajudar a aproveitar sua rede para encontrar candidatos adequados.

Atraindo Talentos: Priorize a Excelência em Design Desde o Início

Knight enfatiza a importância da excelência em design como um sinal inicial para possíveis contratações:

“Se estou pensando em me juntar a uma startup e vejo que são apenas duas ou três pessoas, quatro pessoas, e todos são cofundadores, mas eles têm um design muito bom, isso seria um sinal muito positivo para mim.”

Ele sugere que as startups priorizem o design em suas primeiras contratações, idealmente dentro das primeiras cinco, para estabelecer uma base sólida para seu produto. Um design bem elaborado não apenas aprimora a experiência do usuário, mas também serve como um testemunho do compromisso da empresa com qualidade e inovação, atraindo assim talentos de alto nível em outras áreas também.

Em essência, as pessoas que prosperam sob essa mentalidade são aquelas que valorizam e priorizam a excelência em design, colaboração e inovação. São indivíduos que entendem o papel fundamental do design na moldagem das experiências do usuário e estão motivados a criar soluções que ressoem com bilhões de usuários em todo o mundo.

Ao reunir uma equipe assim, as empresas de software podem aproveitar talentos e perspectivas diversos para impulsionar o sucesso em um cenário de mercado cada vez mais competitivo.

Conversa ao pé da lareira sobre Design Impactante durante um evento lateral do SXSW

Fireside chat sobre Design Impactante durante um evento lateral do SXSW (Foto por: Riff Filmes)

O Triângulo de Ferro: Produto, Design e Engenharia Caminham Lado a Lado

Alberto concorda plenamente que desde o início da jornada de uma empresa, o design deve caminhar lado a lado com produto e engenharia, em vez de ser subordinado a eles. Ele enfatiza a importância dessa aliança desde cedo, afirmando, “Não é uma questão de se você precisa trazer o design, é uma questão de quando.”
Esse sentimento sublinha a essência da abordagem do Triângulo de Ferro. O Triângulo de Ferro é um framework que advoga pela integração estreita (e tensão equilibrada) de Produto, Design e Engenharia dentro da estrutura organizacional de uma empresa.

Esse modelo garante que essas três funções essenciais colaborem de perto ao longo do ciclo de desenvolvimento do produto, possibilitando comunicação eficiente, sinergia e alinhamento de objetivos. A Necessidade de Equilíbrio de Poder Dentro das Equipes de Software

Austin defende veementemente a necessidade de respeitar o conhecimento e a expertise em design dentro desse framework. “O design precisa ser responsável pelos padrões de design.”, ele argumenta. Ao prendê-lo às prioridades de Produto ou Engenharia, as empresas podem na verdade se afastar de abordagens centradas no usuário… afinal, essas outras disciplinas têm necessidades de mercado e operacionais no coração.

No entanto, ele nos lembra que ainda há um longo caminho a percorrer. As empresas de software tradicionais ainda não reconhecem completamente a contribuição única do design para o resultado final. “É difícil quantificar o impacto do design sem uma liderança de design forte que possa articular isso para o resto do negócio”.

Estabelecer uma estrutura funcional para liderança em design é crucial. Essa estrutura geralmente inclui posições como VP de design, Chief Design Officer ou Head de Design… uma pessoa que se reporta diretamente ao CEO. Essa configuração organizacional contrasta com a prática comum em muitas empresas de design se reportar a um VP de Engenharia ou Produto.

Notavelmente, empresas como Apple e Square já seguem esse modelo equilibrado e funcional. “Além disso, alinhar toda a empresa sob um único modelo de lucro e perda (P&L) promove incentivos coesos em toda a organização”, ele sugere.

Mais sobre Organizações Centradas em Design

Embora nem todas as empresas se identifiquem como “impulsionadas por design”, integrar princípios de design em funções essenciais é cada vez mais vital para o sucesso sustentado. Aqui estão características-chave e exemplos:

  • Colaboração Centralizada: Empresas centradas em design podem ser criativas em suas plataformas de colaboração. A Square usa o Figma em vez do GSuite, por exemplo. Jack (Dorsey, co-fundador do Twitter) apresenta usando o Fitbit. “Eu não acreditei até ver”, brinca Austin.
  • Investimento Estratégico: Ao incorporar o pensamento de design desde cedo, elas mitigam os riscos de interrupção e fomentam a inovação. Investir em design desde o início reduz a necessidade de ajustes custosos e cultiva a adaptabilidade.

Em essência, as organizações centradas em design priorizam o design como um componente central, aproveitando-o estrategicamente para inovação, aprimoramento da experiência do usuário e competitividade sustentada. Negligenciar o design pode levar a oportunidades perdidas e pontos cegos, mesmo que algumas empresas possam temporariamente ter sucesso devido a vantagens regulatórias ou posições de mercado.

4 Dicas para Equilibrar um Bom Design com o Contexto de Negócio e Mercado

Como as empresas evoluem e crescem, é essencial refletir sobre práticas passadas e reconhecer a relativa insignificância de certos riscos no grande esquema de crescimento. Ao priorizar o aprendizado e a adaptabilidade, as equipes podem se concentrar no que realmente importa para o sucesso sustentável.
#1 Evite Focar Demais na Perfeição. Muitas vezes, há uma tentação de enfatizar demais a busca pela perfeição, especialmente ao operar em grande escala. Em vez disso, busque um equilíbrio entre buscar qualidade e reconhecer a necessidade de iterações rápidas.

#2 Busque um Equilíbrio Saudável de Processo. Introduzir excesso de processos e restrições pode prejudicar a agilidade e a criatividade das equipes de design. Permita que as equipes de design assumam riscos fundamentados.

#3 Seja Estratégico sobre Tomada de Decisão. Uma organização de design bem-sucedida se baseia em um entendimento profundo do produto e seu desempenho.

Designers equipados com habilidades de alfabetização de dados conseguem integrar efetivamente insights de negócios em seus processos de tomada de decisão.
Investimentos estratégicos em conceitos inovadores com lançamentos rápidos para feedback permitem que as equipes de design iterem rapidamente enquanto permanecem alinhadas com os objetivos gerais do produto.

#4 Não Exagere na Escala. É importante para equipes de design, especialmente em empresas de pequeno a médio porte, resistir à tentação de exagerar nos processos.

Embora considerações legais e de conformidade sejam importantes, processos excessivamente rígidos podem sufocar a criatividade e prejudicar a inovação.
Colocar o produto no mercado e aprender com as interações do usuário é mais significativo do que alcançar uma versão perfeita dele.
Caso contrário, o que acontece? Quando questionamentos sobre “Estávamos obcecados com pequenas coisas que, no grande esquema das coisas, eram completamente inconsequentes.”

Influência Organizacional na Cultura de Design Impactante

Em empresas de software, a estrutura organizacional e a cultura moldam significativamente como o design é integrado ao desenvolvimento de produtos. Veja como:

Fatores a Considerar

– As abordagens de design podem variar por setor, mas os fatores humanos básicos permanecem consistentes. No entanto, as práticas diárias e as estratégias de comunicação diferem com base nas demandas do setor. Por exemplo, o design de aplicativos para consumidores requer mais interação direta com o usuário em comparação com aplicativos empresariais.

– O tamanho da empresa também influencia as estratégias de design. Empresas menores muitas vezes têm agilidade e inovação devido à sua agilidade, enquanto as grandes empresas enfrentam desafios em manobras rápidas. As organizações pequenas podem inovar de maneira mais autêntica sem as restrições das operações em grande escala.

As Armadilhas da Imitação e o Valor da Inovação

– Muitas empresas menores caem na armadilha de copiar estratégias de concorrentes maiores. No entanto, isso muitas vezes leva a práticas desatualizadas e oportunidades perdidas para verdadeira inovação.

– Embora certos padrões de interação mereçam ser imitados, copiar cegamente estratégias de gigantes do setor pode resultar em ficar para trás, pois as inovações levam tempo para se disseminar desde a concepção até a execução.

Fomentando a Cultura de Design

– Organizações orientadas por design priorizam o design como um ativo estratégico e o incorporam em suas funções principais. Um líder de design forte desempenha um papel fundamental na formação da cultura de design, atraindo talentos diversos e promovendo um ambiente colaborativo.

– A cultura de design evolui organicamente dentro de uma empresa, influenciada por sua liderança, práticas de contratação e valores. Mesmo empresas que priorizam outros aspectos inevitavelmente desenvolvem uma cultura, tornando crucial cultivar uma cultura alinhada com os objetivos e valores da empresa.

Em essência, a estrutura organizacional e a cultura de uma empresa de software influenciam profundamente como o design é percebido, integrado e alavancado para impulsionar a inovação e o sucesso.

Pronto para Continuar Aprendendo com Especialistas da Indústria?

Empolgado para se aprofundar no mundo do design UX impactante? Se você achou esta conversa esclarecedora e está ávido por mais, estamos aqui para ajudar! Explore resumos adicionais dos bate-papos da Connecting the Americas aqui e aqui.

Quer Trabalhar Remoto com TI para os EUA e Fazer Parte de Equipes de Produto Inovadoras?

Quer desenvolver sua carreira internacional em tecnologia e trabalhar com times de alta performance? Se inscreva no formulário abaixo e deixa que a gente cuida do resto! 😉

Contexto Adicional

<b>Quem é Austin Knight?</b>
Austin Knight é um autodidata Líder de Design Sênior na Square. Anteriormente, ele ajudou a liderar o UX no Google & HubSpot, projetando produtos que seriam usados por bilhões de pessoas. Um dos primeiros a adotar o trabalho distribuído, passou anos viajando enquanto trabalhava remotamente da América Latina.

Ele orienta estudantes na Columbia University, aconselha fundadores de startups na Sequoia Capital e a16z, fala internacionalmente sobre o tema UX, coapresenta os podcasts UX & Growth e Decrypting Crypto, e administra um blog e boletim informativo populares em AustinKnight.com.

Connecting the Americas: Uma Plataforma para Total Transparência
A Connecting the Americas une visionários, pioneiros e especialistas em vários campos para explorar tópicos cruciais que abrangem tecnologia, inovação, progresso socioeconômico e intercâmbio cultural.

Ao orquestrar uma sequência de atividades, como palestras em painel, workshops interativos e encontros de networking, a Connecting the Americas fomenta colaborações internacionais e a disseminação de insights, promovendo esforços colaborativos para enfrentar obstáculos mútuos e abrir caminhos para o avanço e a prosperidade em toda a região.

UbiNews

Registre-se agora e receba nossas publicações exclusivas diretamente em seu e-mail.

Ao fornecer essas informações, autorizo o recebimento de e-mails e tratamento de dados pela Ubiminds conforme Política de Privacidade